AUTOR

TEMPO DE LEITURA

3 min

PUBLICADO EM

05/10/2021

Hoje (5 de outubro) se não chover, o Jardim das Sensações do Jardim Botânico de Curitiba voltará a receber visitantes na comemoração de 30 anos do Jardim que terá, também, o retorno da escultura Amor Materno restaurada e um canteiro com a inscrição de 30 anos em flores.

O Jardim das Sensações foi criado em 2008 com a intenção de fazer a integração e a inclusão do visitante com a natureza por meio dos sentidos. O passeio sensorial percorre um caminho de 200 metros com plantas nativas, aromáticas e medicinais.

As plantas são identificadas também em braile e os monitores ficam à disposição para o esclarecimento de dúvidas e explicações mais detalhadas. Fazem parte do cenário, ainda, canteiros e uma cachoeira, além de uma instalação do programa Jardins de Mel com abelhas mirins, sem ferrão.

“Planejamos a reabertura como um presente aos curitibanos, levando em consideração a queda dos números da pandemia”, diz o diretor de Produção Vegetal, José Roberto Roloff, responsável pela gestão do local. Como o Jardim das Sensações não abre em dias de chuva, é preciso contar com a colaboração do tempo.

Jardim das Sensações. Foto: Daniel Castellano/SMCS

Canteiro

Um canteiro comemorativo, com o número 30 e a silhueta da estufa, também marca o aniversário. São cerca de mil mudas de begônias formando o desenho.

Os visitantes poderão voltar a ver a escultura Amor Materno, de Zaco Paraná, totalmente restaurada. O trabalho, feito em conjunto com a Fundação Cultural de Curitiba, foi realizado especialmente para o aniversário.

De acordo com o escultor Elvo Benito Damo, responsável pelo restauro, trata-se de um processo de lavagem da peça, seguida de uma renovação da pátina. “A ação do tempo fez com que a peça ficasse com uma diferença de tonalidades, o que é corrigido com a aplicação de nova pátina à base de pigmentação e cera”, explica Elvo. Ainda segundo ele, foram corrigidas pequenas falhas que aconteceram na fundição.

Amor Materno foi instalada no Jardim Botânico em 1993, em comemoração aos 300 anos de Curitiba. A obra original é de 1907 e encontra-se no Rio de Janeiro. O autor, João Zaco Paraná, foi um dos grandes nomes da arte escultórica paranaense, ao lado de João Turin e Erbo Stenzel.

Recentemente, o Jardim Botânico ganhou, ainda, um café-escola do Senac, na também nova Galeria das Quatro Estações. E, uma limpeza total na estufa, que continua fechada por mais um tempo por conta da pandemia.

O Jardim Botânico

Inaugurada em 1991, a unidade de conservação é uma área protegida e que abriga, além de um bosque com nascentes, coleções de plantas vivas para estudo e pesquisa. A cada ano mais de um milhão de pessoas passam pelo Jardim Botânico, que é o maior ponto de desembarques dos ônibus da Linha Turismo. A pista de caminhada que circula o bosque nativo é também uma opção para os curitibanos que buscam um estilo de vida mais equilibrado e saudável.

Os 178 mil m² de área do Jardim Botânico Francisca Maria Garfunkel Rischbieter, seu nome oficial, abrigam ainda o Museu Botânico, um auditório e o quarto maior herbário do Brasil, que atrai pesquisadores de todo o mundo com as mais de quatrocentas mil exsicatas (amostras de plantas prensadas para estudo).

Fonte: Agência de Notícias de Curitiba

Compartilhe essa história:

COMENTÁRIOS