AUTOR

TEMPO DE LEITURA

1.8 min

PUBLICADO EM

18/05/2020

Dia 18 de maio pode ter sido um marco na pandemia do coronavírus. A Itália e a quarentena se distanciam. O país iniciou a maior retomada das atividades desde o começo do isolamento. O distanciamento iniciou no país em 10 de março.

A contínua redução no número de novos casos estimulou o governo a acelerar o cronograma. Livrarias e lojas infantis já tinham sido reabertas em abril. E as indústrias de manufatura e construção civil em 4 de maio.

O que reabre na Itália

Agora, podem voltar ao trabalho restaurantes, bares, lanchonetes e confeitarias – que até então só podiam funcionar por delivery ou para viagem.

Também entram na lista salões de beleza (somente com reserva), comércio e igrejas. Além disso, as pessoas já podem sair de casa, desde que o deslocamento aconteça dentro da mesma região.

Medidas de proteção pós-quarentena

Importante: é preciso usar máscaras de proteção e respeitar o distanciamento. Em Milão, um dos principais focos de contágio na Itália, os moradores redescobriram o prazer de um café expresso antes do trabalho. Mesmo com os novos protocolos sanitários para a reabertura.

“Temos de nos habituar a essas novas regras. Cedo ou tarde, teríamos de reabrir, não dava para continuar assim. Com o distanciamento das mesas, perdemos 12 lugares dentro e 10 do lado de fora, mas seguimos em frente”, disse Daniele Sartori, proprietário de um bar na capital da Lombardia.

Entre outras normas, a região exige portas separadas para entrada e saída, álcool gel para os clientes e medição da temperatura corporal dos funcionários. “É um ritual que me fazia falta, mais uma marca de retorno à normalidade”, acrescenta uma milanesa.

A Catedral de Milão também reabriu as portas aos fiéis para a primeira missa pós-quarentena, com limite de 60 pessoas. “Caros fiéis, esperamos muito por vocês. É muito belo nos encontrarmos aqui de novo no dia que recorda o centenário do nascimento de São João Paulo II”, disse o padre Gianantonio Borgonovo.

Fonte: Ansa

Compartilhe essa história:

COMENTÁRIOS