AUTOR

TEMPO DE LEITURA

3 min

PUBLICADO EM

05/12/2017

Você conhece alguma biblioteca que empresta arte? A biblioteca San Giorgio, em Pistoia, na Itália, começou a permitir o empréstimo de obras de arte de artistas locais – além do tradicional empréstimo de livros, informa a Ansa.

O objetivo é divulgar o trabalho dos pintores locais e dar chance para as pessoas que não tem condições de comprar um quadro ter uma bela obra de arte pendurada na parede de casa.

O serviço é gratuito e, para fazer o empréstimo, a pessoa deve ser maior de idade e poderá alugar uma peça por vez. O tempo máximo de empréstimo é de 60 dias.

Publicado na Now Boarding – dezembro/2017

A biblioteca

A Biblioteca San Giorgio foi inaugurada em 23 de abril de 2007, o dia mundial do livro e dos direitos autorais, bem como o aniversário de San Giorgio, também mencionado no logotipo da biblioteca.

O nome da biblioteca realmente se origina da antiga fábrica de San Giorgio, da qual a biblioteca ocupou alguns galpões industriais abandonados, convertidos para essa nova função. A área em que a biblioteca está localizada, indicada como ex Breda, foi marcada por uma das atividades mais importantes da história de Pistoia a partir de 1907, ano do nascimento da Fabbrica San Giorgio, fábrica de carros e veículos ferroviários, com a construção dos primeiros galpões. Após várias mudanças corporativas e de produção, em 1973, San Giorgio se tornou a construção ferroviária de Breda, mesmo após a fábrica fosse transferida para uma área mais ao sul da cidade.

Hoje, esta área de cerca de 13,5 hectares, há muito abandonada, está se preparando para encontrar um papel central na vida da cidade, com as importantes funções públicas que encontram e encontrarão seu lugar: juntamente com a biblioteca e a universidade das seis faculdades destacadas da universidade florentina e de uma escola secundária, está prevista a construção da sede das ordens profissionais, de um centro de conferências, da sede da polícia e dos centros residenciais.

A construção da nova biblioteca de Pistoia fez parte dessa dinâmica urbana de mudança e foi uma escolha feita para resolver, antes de tudo, o problema de uma considerável falta de espaço na antiga e histórica Biblioteca Forteguerriana, alojada em um edifício do século XVI nas ruas. edifícios medievais no centro da cidade, dos quais a Biblioteca San Giorgio derivou toda a coleção moderna e as funções e ferramentas bibliográficas ligadas ao modelo da “biblioteca pública”.

Para a Biblioteca San Giorgio, alguns galpões do antigo Breda foram definidos nos planos oficiais da grande fábrica.

A intervenção é apenas um fragmento da conversão geral planejada para esta área, através da qual, no entanto, precisamente para seu uso específico, foram feitos esforços para marcar a passagem e, ao mesmo tempo, a continuidade, das fábricas até as lugares de cultura.

Nessa direção também foi a restrição endereçada aos projetistas para manter a memória da planta original da fábrica; não tanto para proteger qualidades importantes de construção, mas pela necessidade de lembrar, de ter tempos e condições que permeiam a história dos lugares. A escolha arquitetônica foi, portanto, aprimorar o esqueleto dos galpões antigos para criar sinteticamente a idéia da fábrica.

Fonte: Biblioteca San Giorgio

Compartilhe essa história:

COMENTÁRIOS