AUTOR

TEMPO DE LEITURA

2.8 min

PUBLICADO EM

05/08/2018

NEM O OLHAR MAIS DISTRAÍDO DEIXA DE PERCEBER QUE, ENTRE OS FILÓSOFOS, AS MULHERES SEMPRE ESTIVERAM, PARA USARMOS DE DELICADEZA, EM SEGUDO LUGAR.

Alguns deles foram acidamente críticos quanto ao chamado belo sexo. Schopenhauer dizia que seriam seres de cabelos longos e ideias curtas. Vale lembrar que ele é, entre todos os filósofos, o mais rabugento, sendo que a rabugice não é rara entre essas criaturas que se dedicam ao pensamento abstrato. Compreende-se assim sua aversão ao feminino. Afinal, mulheres são seres concretos. Muito concretos. Demasiadamente concretos, segundo alguns.

Lembro-me de uma charge de Millôr Fernandes na qual a mulher de Pitágoras lhe passa uma esculhambação:

– Mas que bobagem é essa que você rabiscou aqui na toalha de mesa?! Que droga é essa de que o quadrado da hipotenusa é a soma de não sei quê?

Se as mulheres são seres concretos, os filósofos são criaturas cuja cabeça parece errar (nos dois sentidos) quilômetros acima do chão no qual pisamos.

Como, graças aos céus, tenho leitoras do sexo feminino, devo alertar que não estou criticando essas doces criaturas – estou em sua defesa, por isso falo (sem duplo sentido) dos seus inimigos e as defendo como posso.

É bom lembrar que nascemos de uma mulher, tendo ficado nove meses em seu ventre, lugar seguro e quentinho e de onde fomos retirados a custa de muito suor e lágrimas. E cabe dizer que somos criaturas indefesas, salvos pelas mulheres de morte certa.

Vejamos. Entre os animais, os recém-nascidos têm como se defender. As girafinhas nascem com pernas enormes, mas de imediato se colocam de pé. Cães e macacos nascem sabendo nadar e as tartaruguinhas chegam ao mundo sabendo onde está o mar. E enfrentam as ondas com a classe de um surfista tarimbado. Um recém-nascido humano morre em seguida se não for acolhido pelo colo de uma mulher. Se depender de um homem, salvo casos raros, terá problemas.

Somados, passamos mais tempo junto delas do que deles – o que, devo admitir, é uma delícia.

Freud, sólido germânico, além de ter dito, já no final da vida, que não sabia o que queriam as mulheres, inventou de atazaná-las com suas ideias a respeito do que chama de inveja do pênis. Ou seja, as mulheres se sentiriam inacabadas e sem os poderes que um pênis lhes daria. Fantasias, é claro, delas e do Freud.

Como podem ver, acho que as mulheres foram um grande achado. Mas ando ruminando coisas na minha pobre cabeça. Me refiro ao tal empoderamento. Começa que, do ponto de vista estético, é um palavrão de mau gosto. É pesado, sólido, parece um bloco de concreto armado desabando em plena conversa.

Imitar o que há de pior nos homens não me parece boa ideia. Poder é coisa masculina e temo que seu sucesso permitiu aos homens compensar sua eterna dependência das mulheres. Sentem-se poderosos e posam de donos do mundo.

Enfim, as mulheres poderiam encontrar conceito melhor para garantir a sua, a meu ver, inegável excelência.

Em resumo, Schopenhauer e Freud não sabiam de nada.

Roberto Gomes, escritor

Mas crônicas de Roberto Gomes, clique aqui.

Publicada na Now Boarding – agosto/2018

Compartilhe essa história:

COMENTÁRIOS