AUTOR

TEMPO DE LEITURA

1.7 min

PUBLICADO EM

15/09/2020

A atividade turística continua em crescimento. A última Pesquisa Mensal de Serviços do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), registra que em julho o índice de atividades do setor teve uma alta de 4,8% se comparado a junho, lembrando que em junho o crescimento foi de 19,8% em comparação a maio.

Regionalmente, 9 das 12 unidades da Federação (UFs) avaliadas acompanharam o movimento de expansão, com destaque para Pernambuco (na foto que abre a matéria, Recife) com 18,9%, Distrito Federal 15,4%, Rio de Janeiro 11,5%, Minas Gerais 5,5% e São Paulo 5,4%. Os avanços ocorrem após perdas expressivas verificadas entre os meses de março e abril, período de grande isolamento social devido à pandemia, quando o índice apresentou um recuo de 68,1%.

No acumulado do ano, o índice de atividades turísticas ainda registra queda, de 37,9%, pressionado principalmente pelos setores de restaurantes, transporte aéreo, hotéis, transporte rodoviário coletivo de passageiros, catering, bufê e serviços de comida preparada e agências de viagens. As taxas negativas são verificadas em todas as UFs analisadas, especialmente Paraná (-44,1%), São Paulo (-39,4%), Bahia (-39,4%), Minas Gerais (-36,9%), Rio de Janeiro (-32,0%).

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, comemorou os números e disse que o país caminha para a retomada segura do mercado de viagens. “Os dados provam que o setor, seguindo regras como o nosso selo Turismo Responsável, recupera seu poder de gerar divisas e, consequentemente, emprego. Lançamos recentemente o Plano Nacional de Retomada do Turismo, e estes resultados reforçam o potencial do ramo de fazer frente a efeitos da pandemia”, destaca.

5 bilhões

Para apoiar o segmento do turismo na pandemia foi criada a Medida Provisória 936 que permitiu a flexibilização de salários e jornadas de trabalho, que junto com a MP 948 regulamentou relações de consumo na área, garantindo direitos de clientes e permitindo a manutenção de negócios, e a MP 963 colocou R$ 5 bilhões para empréstimos por meio do Fundo Geral do Turismo (Fungetur).

Fonte: Ministério do Turismo

Compartilhe essa história:

COMENTÁRIOS