AUTOR

TEMPO DE LEITURA

2.1 min

PUBLICADO EM

10/08/2020

O projeto Encode, do Instituto Nacional de Pesquisa do Genoma Humano dos Estados Unidos e financiado pelo Instituto Nacional de Saúde (NIH), disponibilizou de maneira online sua terceira fase de estudos, com mais de seis mil novos experimentos.

O portal compreende 1,2 milhão de elementos que, no DNA humano e também no de camundongos, regulam as atividades dos genes, desligando, ativando ou alterando suas ações. Esse é considerado um “kit único” que pode ajudar a entender a origem de muitas doenças.

Os resultados dessa terceira fase viraram capa da revista científica “Nature”, que terá 14 matérias especiais sobre o tema. Os especialistas criaram o CRE – um registro online de candidatas de novas entradas.

“Esse registro online é um verdadeiro marco, transformando uma quantidade esmagadora de informações genômicas em uma enciclopédia de pesquisas, filtráveis e recuperáveis de elementos do DNA, que pode ser acessada gratuitamente em http://screen.encodeproject.org”, diz a matéria principal.

926 mil “controladores”

Como uma verdadeira e própria enciclopédia da vida, o projeto Encode (Encyclopedia of DNA Elements) – 13 anos depois de seu lançamento – fornece elementos sem precedentes para entender a organização e o funcionamento do DNA. Iniciado em 2003, o projeto chegou à terceira fase, nas quais foram conduzidos cerca de seis mil experimentos, quase cinco mil deles no DNA humano.

Foram identificados dessa maneira mais de 926 mil “controladores” do genoma humano (que correspondem a 7,9% da informação armazenada no DNA) e cerca de 400 mil nos camundongos (que ocupam cerca de 3,4%).

Nos outros estudos, foi possível reconstruir a maneira no qual trabalham os “controladores” de DNA e ainda houve a identificação do papel de controladores durante o desenvolvimento embrionário. Assim, é possível ter informações fundamentais para entender a origem de algumas doenças que derivam de problemas de desenvolvimento.

Desafio

É um passo adiante decisivo para compreender o funcionamento de milhares de bilhões de células do corpo humano: enquanto todas têm em comum o mesmo pacote de instruções genéticas dentro da molécula de DNA, as células de alguns órgãos se comportam de maneiras diferentes.

O desafio é entender, por exemplo, porque as células do coração são diferentes daquelas dos pulmões ou do cérebro, por quais mecanismos elas usam de maneira diferente seu pacote de instruções e o que acontece quando um desses mecanismos não funciona mais regularmente, provocando uma doença.

Fonte: Ansa

Compartilhe essa história:

COMENTÁRIOS