AUTOR

TEMPO DE LEITURA

6.7 min

PUBLICADO EM

18/09/2020

Quando pensamos na Espanha, além de “sentir na boca o gosto do tempranillo”, estamos falando da maior área de vinhedos do mundo: são 1,2 milhão de hectares, o terceiro maior produtor de vinhos com 62 regiões vinícolas registradas. Rioja é uma das seis macrorregiões, cortada pelo Rio Ebro.

Logroño, Rio Ebro em 2016

A capital Logroño é uma bela cidade histórica, cercada de belíssimas paisagens e ótimas vinícolas.

Rioja se compõe de Rioja Alta (vale do Ebro, oeste de Logroño); Rioja Alavesa (norte do Rio Ebro até a província basca de Álava); Rioja Baja (sul e leste, Calahorra e Alfaro).

Em outubro e novembro de 2016 fizemos uma grande viagem que incluiu Rioja com visita e degustação a dez vinícolas. A região tem muito mais vinícolas para visitar mas isto ficou para outra viagem…

Estivemos na Bodega Marqués de Murrieta, Ysios, Marques de Riscal, Bai Gorri, Eguren Ugarte, Contino, Lus Cañas, Marques de Cáceres, Vivanco e La Rioja Alta.

Além das degustações nas vinícolas, saboreamos muitos outro rótulos da região nos bares, restaurante e principalmente na Calle del Laurel, em Logroño.

Ficou uma sensação de que ainda faltou muito a conhecer e que precisamos retornar!

Marqués de Murrieta

O acesso à bodega Marqués de Murrieta é pela carretera Logroño-Zaragoza até a bela propriedade que além dos vinhedos, salão de eventos, museu histórico da vinícola, pode-se degustar ótimo vinhos como o branco Pazo de Barrantes, tintos Castillo de Ygay, Dalmau, Marques de Murrieta Gran Reserva.

Bodega Marqués de Murrieta, 2016

Ysios

Situada próximo a histórica cidade de Laguardia (Álava), a Bodega Ysios tem uma maravilhosa edificação que foi projetada pelo arquiteto espanhol Santiago Calatrava.

Na entrada da vinícola tem-se uma visão fantástica do prédio, emoldurada ao fundo pela Serra Cantabria.

A degustação, na sala envidraçada do 1º andar, permite integração com os vinhedos e enquanto se saboreia bons vinhos como os tintos Ysios colecion privada 2012, Ysios reserva 2008 e 2011.

A experiencia é memorável e prazerosa.

Bodega Ysios, 2016

Marqués de Riscal

A ousadia arquitetônica dos espanhóis nos surpreende!

Esta bodega, em Elciego, na província de Álava, além da edificação tradicional, tem um hotel projetado pelo arquiteto canadense Frank Gehry.

As placas em titânio, com três cores representando os vinhedos, são belíssimas.

Mas isto não é tudo neste lugar de bom gosto. Tem ótimo restaurante e vinhos muito bons como os que degustamos: o branco Rueda Vendeio, tintos Baron de Chirel reserva, Marques de Riscal Gran Reserva 2006, 2010 e o Reserva 2012.

Na loja da Bodega Marqués de Riscal comprei um sauvignon blanc por € 4 (cerca de R$ 26) e quando cheguei ao Rio de Janeiro, em restaurante, pedi o mesmo vinho. O preço foi bem diferente, R$ 200.

No nosso tour enogastronômico almoçamos na histórica e bela Laguardia. É um passeio muito agradável e, por sua posição elevada, possibilita bela vista da região.

Bodega Marques de Riscal, 2016

Baigorri

Baigorri fica próximo de Samaniego, também em Álava com um belo prédio projetado pelo arquiteto espanhol Iñaki Aspiazu, numa área construída de 14 mil m², em vários níveis, até 30 metros de profundidade. Tudo isso ao custo de € 15 milhões.

O enólogo e diretor Ténico é o renomado Simon Arina.

Neste belo lugar conseguimos nos surpreender com os tintos Bai Gorri crianza 2015 e Reserva 2008.

Baigorri, 2016

Eguren Ugarte

Um complexo com hotel, vinícola, restaurante e, logo na entrada, tem uma estátua do proprietário, Vitorino Eguren Ugart, que dá nome à bodega.

Fizemos, primeiramente, a degustação com o branco Viura-Egurem Ugarte 2015, depois os tintos Cedula Real 2008, Eguren Ugarte cincuenta anos, Martim Cendoya reserva 2010 e o tempranillo Eguren Ugarte reserva. Todos ótimos e, como estava próximo do almoço, conseguimos mesa no restaurante da vinícola.

Durante o almoço com a bela vista da Serra Cantabria reconheci uma pessoa que entrou no salão como sendo a mesma da estátua, o proprietário sr. Eguren Ugarte. Cumprimentei-o e este simpático espanhol se ofereceu para nos mostrar sua vinícola. Percebi a satisfação de Eguren em nos receber e o orgulho com seus vinhos. Foi um encontro memorável, com muita comida e vinhos deliciosos!

Com Eguren Ugarte, proprietário da Bodega que tem o seu nome, 2016

Contino

A vinícola foi fundada em 1973, impulsionada pela bodega centenária CVNE, Compañía Vinícola del Norte da Espaã, com ótimos vinhos como Contino garnacha, Contino graciano, Contino reserva e o Imperial que teve 90 pontos pela Wine Spectator.

Luis Cañas

O prédio principal da bodega Luis Cañas, com restaurante e sala de degustação, fica em lugar elevado, em Villabuena, Álava.

Degustamos o vinho branco Viura Jovem, os tintos Crianza, Gran reserva, reserva e o Hiru.

Bodega Luis Cañas, 2016

Marques de Cáceres

Entrei na Marqués de Cáceres receosa por causa dos vinhos que tinha tomado no Brasil e não tinha gostado.

Mas na bodega, em Rioja, a experiência foi diferente quando provei o branco Excellens sauvignon blanc com rueda e os tintos Excellens cuvee especial 2005, Excellens reseva 2008, Guaudim, Marques de Cáceres Gran reserva e Marques de Cáceres Reserva.

Neste dia cheguei à conclusão de que a maioria dos rótulos Marques de Rioja são bons!

Bodega Marqués de Cáceres, 2016

Vivanco

A Vivanco está em Briones, na comunidade de La Rioja, com um museu fantástico anexo.

A degustação foi com os tintos Vivanco 4 varietales, vivanco parcelas de Graciano, Vivanco parcelas de mazuelo e o saboroso Vivanco reserva.

Vivanco, 2016

La Rioja Alta

A bodega La Rioja Alta situa-se em Haro, na comunidade de La Rioja.

A degustação foi ótima com os tintos Viña Arana reserva 2008, Viña Asdanza 2007, Viña Alberdi e La Rioja Alta Gran reserva.

Esta experiência de conhecer o produtor, o lugar onde estão os vinhedos, como são feitos os vinhos, a cultura local, é muito interessante pois fica na memória.

Onde encontrar

Em Curitiba encontra-se vinhos espanhóis em diversas lojas.

Na Decanter da Avenida Visconde de Guarapuava, tem o branco Luis Canãs Viura e Malvasia por R$ 97, bem como o Luis Cañas Gran Reserva por R$ 320, o Luis Cañas Crianza por R$ 180.

Na Grand Cru da R. Otávio do Amaral (Bigorrilho), encontra-se o branco Verdejo da Marques de Caceres por R$ 100 e o Marques de Caceres Gran Reserva por R$ 370.

Na Adega Brasil da Cândido Hartmann, tem várias opções de vinhos espanhóis de Rioja como os tintos Marques de Murrieta reseva por R$ 270; Lan reserva por R$ 170; Muga reserva por R$ 220 e Luis Cañas reserva R$ 260.

Tim tim!!!

Bete Yang, é Engenheira Civil, formada em 1975 pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, é enófila desde 1996 quando visitou região vinícola de Stellenbosch na África do Sul. Fez cursos de vinhos em Curitiba, no Vale dos Vinhedos (RS), na Associação Brasileira de Sommeliers/RJ, em Rioja (Espanha) e na Ecole du Vin de Saint-Émilion (França). Desde 2017 atua como coordenadora do Viniep (Confraria de vinho do IEP- Instituto de Engenharia do Paraná). Visitou mais de 140 vinícolas na Europa, América do Norte e do Sul, África do Sul e Oceania. Assina a coluna Wine not?!

bete_yang@yahoo.com

Compartilhe essa história:

COMENTÁRIOS