AUTOR

TEMPO DE LEITURA

3.1 min

PUBLICADO EM

05/04/2016

No mercado há pouco mais de seis meses, a Duster Oroch ainda chama a atenção por onde passa. A Renault desbravou com sucesso um novo nicho de mercado posicionando-se entre a GM S-10, Ford Ranger e VW Saveiro e Fiat Strada.

Aeroporto Jornal testou a versão Dynamique 1.6 (R$71.700,00), ideal para o uso familiar e semiurbano.

Seu câmbio tem relações bem curtas buscando agilidade e economia. A direção hidráulica é adequada ao tamanho e porte do carro. Seu volante é revestido em couro com boa empunhadura e traz os comandos do piloto automático, mas sem iluminação. Tem ajuste de altura, mas não de profundidade. Os controles de som/telefone estão em um comando satélite.

Seu rodar é macio, estável e pouco lembra uma picape, mérito dos pneus Michelin 215/65/r16 e da suspenção traseira Multilink. Também destaco a qualidade das borrachas de vedação que ajudam até no isolamento acústico.

Interior

Espaçosa e segura, traz bancos de couro (opcional) e cinto de três pontos para todos os passageiros. Painel tem boa visualização e o computador de bordo tem até dez funções. Falta, no entanto, um reostato e o medidor de temperatura do motor.  No console central com acabamento black piano, destaca-se a excelente MEDIA Nav Evolution com tela touch screen 7”, navegação GPS e 3D Sound by Arkamys com conexões USB e Auxiliar. É rápida intuitiva e funcional, mas poderia estar posicionada em melhor ângulo para o motorista. De todos os vidros elétricos somente o dianteiro do motorista tem a função one touch. Sentimos a ausência do espelho retrovisor eletrocrômico e das luzes de cortesia nos para sois, pois não seriam nenhum excesso nesta faixa de preço.

Exterior

Destaca-se pelo seu porte robusto, 4,7 m de comprimento e pelo acabamento bem cuidado. Não há diferenças de simetria nos encaixes. A caçamba vem de fábrica com protetor e tem oito ganchos para amarras. Sua tampa é basculante e comporta um rack extensor (opcional) que permite até levar uma motocicleta na diagonal. Possui sensor de estacionamento de fábrica, mas falta a câmera de ré. O conjunto ótico possui luzes diurnas automáticas, mas não de led.

Motorização

O 1.6 16 v 110/115cv já é um velho conhecido que recebe agora um pouco mais de tecnologia para melhorar seu rendimento. A função Eco-Mode quando acionada faz o motor se adaptar a um regime de giro reduzido, proporcionando até 10% de economia. Interessante para ser usado quando não há pressa alguma ou se o combustível está acabando e você não sabe quando verá um outro posto, pois há perda de potência e agilidade bem superior ao ganho de consumo. Ao abrir o cofre do motor você depara com o auxílio de um amortecedor telescópico muito bem-vindo. Ainda conta com o tanquinho de gasolina para partidas a frio, mas com uma evolução:  ao invés de um motor elétrico ele tem um bico injetor exclusivo garantindo precisão de partidas a frio. Faz falta, tal como no Duster, o acabamento plástico (grade/churrasqueira) entre o para-brisa, carroceria e os limpadores.

 Após 350 km em um percurso misto cidade/estrada fizemos 9,5 Km/l, com gasolina.

Também disponível na versão 2.0, por cerca de 5% a mais no preço você leva para casa a versão ideal que alia desempenho com economia. Esperamos pelo lançamento da versão 2.0 automática para enfrentar sua nova concorrente, a Fiat Toro.

Para o test drive, a Oroch cedida pela fábrica.

Carlos Fernando Schrappe Borges

Publicado no Aeroporto Jornal – abril/2016

Compartilhe essa história:

COMENTÁRIOS