AUTOR

TEMPO DE LEITURA

6.3 min

PUBLICADO EM

29/10/2020

A Now Boarding tem recebido vários materiais sobre o turismo e os destinos que estarão em alta nos próximos meses e o que o brasileiro pensa sobre viajar. O que é certo é que até a vacina contra a Covid-19 e, talvez, mesmo por um período ainda indeterminado após, o turista e o turismo conviverão ainda por um tempo de maneira totalmente diferente do que ocorria antes do início da pandemia, há quase um ano.

Destinos próximos às nossas casas (até 300 km) é que terão a preferência segundo todas as previsões. E tudo seguindo rígidos protocolos de segurança e higiene.

Essa mudança alterou os programas de hospedagem do Airbnb, por exemplo. Desde agosto, a plataforma só permite até dezesseis pessoas por acomodação. A empresa lançou Protocolo Avançado de Higienização e “orientações e boas práticas também para hóspedes” que estão disponíveis no site e com as quais eles devem se comprometer no momento da reserva. As recomendações incluem uso de máscaras e prática de distanciamento social por anfitriões e hóspedes ao interagirem.

“Posso viajar agora?”

O Smiles, programa de fidelidade da Gol, fez um levantamento e constatou que 72% dos brasileiros pretendem realizar viagens de turismo ainda este ano. Os dados são de uma pesquisa interna baseada em análises de social listening realizada pela Spray Content, responsável pela produção dos conteúdos audiovisuais da Smiles. Quer dizer: quem gosta de viajar não aguenta mais ficar em casa e quer mesmo viajar. Se a intenção entre a vontade e sair de casa vai se concretizar, isso é uma outra história.

O estudo da Smiles avaliou um universo de nove milhões de menções em diversos sites e nas mídias sociais (Facebook, Instagram e Twitter), entre os dias 11 de março e 10 de agosto. A pesquisa também revelou que do total de pessoas que desejam realizar uma viagem a curto prazo, 79% delas afirmam que desejam ficar por muitos dias. Outro dado revelado é que a pergunta “Posso viajar agora?” é uma das mais frequentes de acordo com o Google Trends.

E quais são os destinos que estão na vontade de ser visitados pelos brasileiros? O Airbnb diz que são destinos menos, fora do circuito tradicional, e lista que para 2021 quinze cidades que estão sendo mais procuradas em sua plataforma: São Miguel do Gostoso(RN), Itacaré (BA), Domingos Martins (ES), Penha (SC), Angra dos Reis (RJ), Petrópolis (RJ), Carneiros (PE), Barreirinhas (MA), São Sebastião (SP), Ubatuba (SP), Piracaia (SP), Búzios (RJ), Paraty (RJ), Urubici (SC) e Ipojuca (PE). O Smiles destaca Rio de Janeiro e Fernando de Noronha como os mais procurados.

Refúgio

Já o Booking.com após conversar com mais de vinte mil viajantes em 28 países para descobrir as tendências que vão mudar como vivenciamos as viagens em 2021 e no futuro chegou ao seguinte resultado: dois em cada três dos viajantes brasileiros (66%) dizem que não vão se sentir confortáveis em viajar até que exista uma vacina ou tratamento para o Coronavírus.

A empresa aponta nove previsões sobre o futuro das viagens – para o próximo ano e o futuro: sonhos de viagem, valor vital, viagens mais perto de casa, busca de viagens como escape, segurança e lazer em primeiro lugar, mais conscientes do que nunca, adeus ao horário fixo, simples prazeres e inovação tech.

Airbnb diz que as escolhas para viagens serão em muitos casos de famílias em busca de um refúgio fora da cidade grande, e, ao mesmo tempo, com boa infraestrutura (como conexão à internet etc), para conciliar férias com a família e trabalho em home-office.

A empresa de seguro Allianz Partners produziu, em parceria com o futurologista Ray Hammond, o relatório “Life after COVID-19” onde se prevê que o voo doméstico e de curta distância vai se recuperar primeiro, mas os viajantes mudarão de comportamento, incluindo máscaras durante toda a jornada e os abraços e beijos de despedidas serão fora do aeroporto. Em alguns casos, pontes de embarque, ou ponte telescópica, para aviões serão usadas como um “túnel desinfetante”. Outras iniciativas das companhias serão na redução das malas de mão, para acelerar o embarque e reduzir o risco de contaminação, além de diminuir os serviços de bordo.

Viagem sustentável

A pesquisa mostra que a indústria de cruzeiros será a mais afetada porque ninguém tem uma visão clara de como eles podem se organizar, respeitando o distanciamento social e, acima de tudo, a quarentena de viajantes doentes para evitar a contaminação.

O sistema de hospedagem será impactado por medidas de saneamento. É provável, diz o trabalho, que os restaurantes reabram com menos horas, por menos dias, com muito menos mesas e menus bastante simplificados. Enquanto isso, os pedidos pelos aplicativos de delivery continuarão em alta.

Além disso, os pacotes all inclusive de hotel provavelmente serão redesenhados e será possível remover a entrega de comida e bebida em estilo buffet para garantir que os clientes recebam o serviço em suas mesas individuais e distanciadas. As excursões deverão ser fornecidas individualmente e, por isso, serão mais caras, imagina Hammond que tem quase quarenta anos de experiência escrevendo e falando sobre as tendências que moldarão o futuro.

O relatório completo está disponível para leitura aqui.

E sobre o futuro, a pesquisa da Booking.com mostra que 7 em cada 10 (71%) viajantes brasileiros querem viajar de forma mais sustentável no futuro, e para isso 84% dos brasileiros esperam que a indústria de viagens ofereça opções mais sustentáveis. As visitas a destinos alternativos se tornarão mais comuns para evitar viagens durante a alta temporada (52%) ou em lugares superlotados (59%). Isso também significa que 67% dos viajantes do país ficarão longe de atrações turísticas lotadas, uma indicação de que os destinos precisarão se adaptar para administrar de uma maneira nova e inteligente o fluxo de pessoas, se quiserem continuar satisfazendo os viajantes.

Máscara e álcool na bagagem

Viajar, seja por qualquer meio, voltará ao planejamento do brasileiro. Ele está desconfiado mas quem gosta de conhecer lugares vai sair de casa consciente do que vai encontrar. E vai pesquisar muito antes de viajar para não chegar ao local e encontrar restrições que impeçam passeios, por exemplo.

As férias de verão estão chegando e o melhor a fazer ao tomar a decisão de tirar o mofo das malas é se orientar e saber que máscara e álcool em gel devem ser, sim, itens obrigatórios na bagagem.

A Smiles lançou novo formato do canal Te Levo de Milhas que traz em seis episódios conteúdos educativos e de planejamento para viagens futuras. O objetivo é levar informação relevante sobre os destinos mais procurados pelos viajantes, além de trazer soluções para as dúvidas mais recorrentes, especialmente no que diz respeito à segurança e de como viajar com tranquilidade nesse momento.

A resposta para a pergunta “posso viajar?” é “sim” desde que com cuidados e um mínimo de planejamento para que o passeio seja de descanso e não de perrengue.

Fonte: Assessorias de Imprensa

Compartilhe essa história:

COMENTÁRIOS