AUTOR

TEMPO DE LEITURA

1.8 min

PUBLICADO EM

05/12/2013

É comum se dizer: “Uma foto vale mais que mil palavras”. Só que, qualquer que seja a foto, ela não conseguirá revelar o que é visitar o Parque Nacional do Iguaçu iluminado somente pela lua cheia. Este texto, que pode ter mais de mil palavras, também não vai conseguir descrever a emoção de ouvir a força do rio Iguaçu e suas cataratas ao andar pelo parque à noite. E é isto mesmo.

O Parque fica às escuras: somente os caminhos que levam ao elevador que dá acesso às passarelas ficam acesos. Ver as quedas ao luar dá, ao visitante, uma noção totalmente diferente das Cataratas. Elas parecem mais poderosas à noite do que vistas à luz do sol.

Ficamos pequenos diante da força da natureza. Quem puder programar sua viagem para Foz do Iguaçu e puder agendar numa lua cheia, recomendamos: tem que visitar as Cataratas de dia e, à noite, vá ao Luau das Cataratas. Dois conselhos: leve um casaquinho (as Cataratas ficam num parque, em meio à mata, que à noite tem temperatura mais baixa) e capa de chuva para percorrer as passarelas. Máquina fotográfica, só se for profissional. Não dá para registrar as cataratas ao luar – e mesmo o arco-íris prateado se você não tiver o equipamento certo.

No local, um fotógrafo profissional oferece seus serviços. Integra a programação um jantar no Restaurante Porto Canoas (pago à parte), para o qual é bom fazer reserva (fone 45-3521-4443 ou e-mail luau@catarataspni.com.br). As atividades começam às 20h e o número de visitantes é limitado. As bilheterias fecham para acesso a partir das 21h40. O retorno dos ônibus de Porto Canoas até o Centro de Visitantes inicia às 22h e encerra a meia-noite em ponto.

O Luau das Cataratas é uma realização da Cataratas do Iguaçu S.A. e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade e a Cataratas do Iguaçu S.A adverte que poderá cancelar o Luau nas Cataratas em caso de condições climáticas desfavoráveis.

A equipe do Aeroporto Jornal viajou a convite do Rafain Palace Hotel.

Publicado no Aeroporto Jornal – dezembro/2013

Compartilhe essa história:

COMENTÁRIOS