Com investimentos de R$ 100 milhões e previsão de ficar pronto daqui a dois anos, Foz do Iguaçu vai ganhar um novo atrativo: o AquaFoz. Empreendimento do Grupo Cataratas, que já administra na cidade da tríplice fronteira, as Cataratas do Iguaçu e o Marco das Três Fronteiras, o aquário terá espécies de água doce e ecossistemas marinhos da cidade. Ao ficar pronto o AquaFoz atuará como um centro de educação, pesquisa e conservação dos ecossistemas das bacias dos rios Paraná e Iguaçu. No Rio de Janeiro, o Grupo tem o AquaRio, o maior aquário marinho da América do Sul com 350 espécies.

O AquaFoz será construído na entrada do Parque Nacional do Iguaçu, ao lado do Centro de Visitantes, na BR-469 e terá uma área de 23 mil m² com diversos tanques com espécies de água doce e de ecossistemas marinhos que somam um volume total de aproximadamente 3,5 milhões de litros de água.

A construção do aquário de Foz do Iguaçu, que tem previsão de início no segundo semestre deste ano, terá a assessoria do Estúdio Cosestudi, escritório de arquitetura responsável pelos projetos e criação de conceito de importantes aquários no mundo, como: Oceanário de Lisboa (Portugal), Aquário de Gênova (Itália), Aquário de Cingapura (Cingapura), Tennessee Aquarium e Aquário Baltimore (Estados Unidos).

Para o secretário do Desenvolvimento Sustentável e Turismo, Márcio Nunes, a nova atração em Foz Iguaçu reforça o destino como “um turismo de natureza que respeita e preserva o meio ambiente”. E o CEO do Grupo Cataratas, Pablo Morbis, diz que “além da importância como impulsionador do turismo local, o espaço é um centro de conservação da biodiversidade. Vai trabalhar amparado no tripé educação, pesquisa e conservação, principalmente focado na conservação das bacias do Rio Iguaçu e Rio Paraná”.

Nas últimas décadas, a bacia do Iguaçu tem sofrido impactos causados pela ação humana. Suas populações de fauna aquática e semiaquática correm o risco de extinção, e pelo menos quinze espécies de animais desta bacia se encontram impactadas pela ação humana como desmatamentos, poluição das águas, pesca e construção de barragens e represas. O AquaFoz pretende conduzir, em parceria com universidades, pesquisas sobre ecologia alimentar e reprodutiva, distribuição geográfica, conservação e coibição de espécies exóticas.

Fonte: Governo do Estado e Assessoria de Imprensa Grupo Cataratas