AUTOR

TEMPO DE LEITURA

2.6 min

PUBLICADO EM

05/05/2018

Passaram-se 15 anos e mais de 600 mil unidades vendidas desde o lançamento do primeiro Ecosport no Brasil. A evolução foi lenta demais. De um modelo com acabamento e mecânica espartanos, até a linha 2018 que testamos nesta edição, o Ford Ecosport Freestyle Plus 1.5 Automático, diversos facelifts e aprimoramentos foram sendo gradualmente implantados, mas somente agora, o carro ganhou maturidade e evoluiu de maneira consistente, tanto para acompanhar a concorrência quanto para reverter a perda de mercado dos últimos 3 anos e tornar-se um modelo mundial. A unidade 2018 que nos foi cedida, de R$ 94 mil, traz o novo, e agora fabricado no Brasil, motor 1.5 de 3 cilindros, 12 válvulas, flex. Moderno, com baixa emissão de poluentes, todo em alumínio, gera no etanol bons 137 cv a 6500 rpms e tem torque de 15 Kgfm a 4.500 rpms.

Junto com a nova caixa automática de 6 velocidades com modo sport, e também manual através das aletas no volante, traz uma agilidade invejável no trânsito urbano. As trocas são feitas sem trancos em rotações baixas, mas basta apertar um pouco acelerador que o câmbio reduz uma ou duas posições.

Os pneus Michelin LTX Force, 205/60/16, ajudam no rodar macio na cidade e na estrada. O isolamento acústico foi aprimorado, mas poderia ser melhor.

Piloto automático

Tanto o motor quando exigido mais a fundo quanto o ruído de rodagem, invadem o interior. Ruídos também vinham da porta do motorista.

Com o piloto automático ativado ele tem dificuldade de manter a velocidade, perdendo em média até 5% para então iniciar a recuperação. Culpa do baixo torque que, neste caso prejudica o desempenho, mas traz razoável economia na estrada.

No quesito segurança é um dos melhores em sua categoria: são 7 airbags, controles de estabilidade e tração, anticapotamento, partida em rampa, cintos de três pontos para todos os passageiros e isofix para cadeiras de crianças. Poderia ter freios a disco nas rodas traseiras, um descaso habitual das montadoras no Brasil.

O acabamento da cabine melhorou, nem tanto no revestimento das portas. O novo painel é emborrachado na parte superior, tem novos
mostradores, computador com múltiplas funções, inclusive de pressão nos pneus com alerta sonoro de pressão baixa.

Consumo

Os destaques são a central multimídia de 8 polegadas Sync 3, uma das mais modernas e funcionais do mercado, o ar condicionado automático digital e o volante multifuncional herdado do Focus. Os bancos também são novos, com ajustes manuais e revestimento parcial em couro.

O porta malas continua pequeno (356l). Ganhou um tampão com 3 ajustes que facilita o dia a dia e, no caso de baixar todos os bancos, consegue-se uma superfície plana para objetos maiores.

Rodamos 378,4 km em um circuito misto cidade/estrada e a média de consumo com gasolina ficou em 10,3 km/l. O veículo foi cedido pela concessionária Slaviero.

Carlos Fernando Schrappe Borges

Publicada na Now Boarding – maio/2018

Compartilhe essa história:

COMENTÁRIOS