AUTOR

TEMPO DE LEITURA

2.2 min

PUBLICADO EM

05/06/2015
Jogo Roubado
Foto: divulgação

Fifa e a corrupção. O futebol é o esporte mais popular do mundo e é também o mais corrupto. Segundo o autor, a culpa é dos jogos de azar. Avalia-se que 1 trilhão de dólares são apostados em jogos de futebol por ano e para aqueles que podem fazer o sistema trabalhar a seu favor, um excelente negócio para lucrar.

Texto: Amanda Chain

Na última década, a forma imprecisa como o futebol mundial vem sendo administrado expôs o esporte à crise. Não existe um controle centralizado, nem uma comissão disciplinar.

A Fifa, organização responsável pela realização da Copa do Mundo a cada 4 anos, não é a guardiã da boa vontade, apesar de ser a organização que carrega mais peso nesse emaranhado de federações e confederações que controlam e administram o futebol. Porém a mesma sofre inúmeras denúncias de corrupção interna.

E conforme o autor apresenta, nem mesmo a Fifa entendia o risco que o esporte atravessa.

Fiscalização

Sem fiscalização e impulsionada pelo lucro fácil, a corrupção de resultados tem crescido de forma descontrolada. E será que a situação está tão ruim assim? O autor diz que sim. Atualmente estão em curso investigações policiais sobre corrupção de resultados de jogos em mais de 60 países, o que significa um terço do mundo. Entretanto, apenas metade das associações nacionais e regionais filiadas relataram casos desse tipo, o que leva a pensar quantos jogos foram manipulados com conhecimento apenas dos infratores.

O livro envolve o leitor quase como um thriller policial, com o foco principal dado à Wilson Perumal um dos maiores operadores de manipulação de resultados, descrevendo como ele e sua organização envolviam jogadores e técnicos, subornavam árbitros, oficiais de federações e líderes políticos, manipulando partidas de campeonatos nacionais, amistosos, jogos de divisões inferiores e até eliminatórias para a Copa do Mundo.

Do lado investigativo temos principalmente a história de Chris Eaton, ex-policial, ex-funcionário da Interpol e ex-chefe de Segurança da Fifa, conhecido pelo combate à manipulação de resultados no esporte, trabalhando atualmente na ICSS (Centro Internacional de Segurança do Esporte).

Um livro para quem gosta ou não de futebol, abordando uma faceta que provavelmente o fará assistir aos jogos com uma nova visão. De Brett Forrest. Editora Paralela. R$ 39,90.

vendas@livrariadochain.com.br

Publicado no Aeroporto Jornal – junho/2015

Foto do destaque: Jannik Skorna/ Unsplash

Compartilhe essa história:

COMENTÁRIOS