AUTOR

TEMPO DE LEITURA

1.9 min

PUBLICADO EM

05/10/2009

A Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) lançou a Biblioteca Digital Mundial, que permite consultar gratuitamente pela internet o acervo de grandes bibliotecas e instituições culturais de inúmeros países, entre eles o Brasil. Dezenas
de milhares de livros, imagens, manuscritos, mapas, filmes e gravações de bibliotecas em todo o mundo foram digitalizados e traduzidos
em diversas línguas para a abertura do site da Biblioteca Digital da Unesco.

A nova biblioteca virtual tem sistemas de navegação e busca de documentos em sete línguas, entre elas o português, e oferece obras
em várias outras línguas. Entre os documentos, há tesouros culturais como a obra da literatura japonesa “O Conde de Genji”, do século 11,
considerado um dos romances mais antigos do mundo, e também o primeiro mapa que menciona a América, de 1507, realizado pelo monge alemão Martin Waldseemueller e que se encontra na biblioteca do Congresso americano.

Entre outras preciosidades do novo site estão as primeiras fotografias da América Latina, que integram o acervo da Biblioteca Nacional
do Brasil, o maior manuscrito medieval do mundo, conhecido como a “Bíblia do Diabo”, do século 12, que pertence a Biblioteca Real de
Estocolmo, na Suécia, e manuscritos científicos árabes da Biblioteca de Alexandria, no Egito.

Até o momento, o documento mais antigo da Biblioteca Digital da Unesco é uma pintura de oito mil anos com imagens de antílopes ensanguentados, que se encontra na África do Sul.

32 instituições

A Biblioteca Nacional do Brasil é uma das instituições que contribuíram com auxílio técnico e fornecimento de conteúdo ao novo site
da Unesco. O projeto contou com a colaboração de 32 instituições, de países como China, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, México, Rússia, Arábia Saudita, Egito, Uganda, Israel e Japão.

A Unesco quer ter até o final do ano sessenta instituições parceiras. “As instituições continuam proprietárias de seu conteúdo cultural.
O fato de ele estar no site da Unesco não impede que seja proposto também a outras bibliotecas”, explicou Abdelaziz Abid, coordenador do projeto.

Publicado no Aeroporto Jornal – outubro/2009

Compartilhe essa história:

COMENTÁRIOS