A Now Boarding estreia a coluna Mundo Afora. Priscilla Santos da Silva é uma brasileira, com nacionalidade também em Luxemburgo, que atua há alguns anos no turismo. Formada em Relações Internacionais pela Univali, de Itajaí (SC), Priscilla deixou sua cidade natal, Brusque, e foi buscar o mundo. Hoje, morando em Amalfi, na Itália, é mestranda em Diplomacia pela Università degli Studi di Salerno. Nesta coluna, Priscilla vai ajudar estudantes e profissionais que querem ampliar seus horizontes fazendo um curso no Exterior e também relatar suas experiências de viagens. Nesta primeira coluna, Priscilla dá cinco passos para você iniciar seu projeto de estudar e morar no Exterior.

2021, o ano para se preparar para estudar no Exterior

Os corações estão angustiados para viajar? Sim! O que acha de morar no Exterior, estudar uma nova língua ou ainda fazer um mestrado?

Para você que quer estudar fora do seu país e ser um aprendiz pelo mundo, as graduações e mestrados tem um valor mais em conta e inclusive os governos estrangeiros e universidades dispõem de bolsas para nós, brasileiros.

Em 2015 embarquei em uma aventura para o Velho Mundo, passei para cinco bolsas de estudos.  Mas o processo começou muito antes,; começou com a preparação e aprender um idioma.

No início não foi fácil. Encontrei muitas informações, mas não sabia como usá-las, tinha pouco foco, passei por empolgações, desânimo, distrações e frustrações, mas aprendi com tudo isso e obtive um resultado.

Hoje vou iniciar esta coluna com o meu aprendizado, vou compartilhar uma fórmula que criei para iniciar o processo de conquista da sua bolsa de estudos. Prepare-se, Estudante Nômade!

  1. Motivação

Parece obvio, mas é sempre bom falar, visualizar seu sonho e ter em mente que este projeto mudará sua vida em relação ao modo de viver, experiência multicultural, aprimoramento de outro idioma, experiência pessoal e profissional que irá angariar muitas oportunidades. Então, imagine você conquistando e vivendo isso. A motivação deve estar presente em todos os momentos, na preparação, pesquisa e durante a graduação.

A dica do Estudante Nômade é: procure informações do país, cidade, universidade que você quer, coloque em um documento com fotos e descreva o porquê você quer, as coisas que agregarão na sua vida, as experiências e o que você ganhará com esta oportunidade. Isto irá lhe motivar a ir adiante a cada passo do processo de pesquisa e seleção.

Quando você tiver desiludido(a) ou cansado(a), é para este material que você irá dar uma olhadinha. Se quiser, imprima as imagens e deixe-a próximo a você, na sua prateleira, guarda-roupa, isso irá lembrá-lo diariamente da sua meta a partir de agora. isso

Durante as consultorias aos estudantes, eu sempre relembro os objetivos e o foco que desenvolvemos no início da caminhada ao futuro estudante nômade. Essa tática ajuda e muito!

Recebendo grupo estudantil de Nutrição do Brasil em uma expedição na Itália

  1. Tempo

E aí, ansiosos? Loucos para investir seu tempo em pesquisas, preparação de documentos? A dica que eu dou é fazer muita pesquisa com um intervalo de tempo com sua família, amigos e namorado(a). Claro que você deve estar focado, já conversamos isso, porém, é importante você se divertir nesse meio tempo e relaxar, para não ocupar todo seu tempo só em sua candidatura. Faça com calma e com sabedoria, lembre-se que daqui a pouco você vai morar longe, talvez um ou dois anos, então aproveite este tempo junto com eles, não recuse um jantar ou uma balada para ficar em casa procurando bolsas; faça seu dever de casa e depois divirta-se. Por quê? Para você não se decepcionar caso sua primeira tentativa não der certo e pensar que deveria ter ido naquela festa ou à praia.

Entre uma pesquisa ou outra, viaje, entre as buscas de documento, saia com os amigos, entre o intervalo de um desenvolvimento de cover letter divirta-se. Isso irá te ajudar a ter foco e controle sobre suas busca e você saberá usar o seu tempo.

O melhor a fazer é um cronograma com todas as ações e metas que procura alcançar até uma semana antes da candidatura fechar.

É importante entregar sua candidatura antes para eles perceberem que você se preparou para a candidatura e deixou tudo pronto antes e não no último dia.

Por experiência própria e conversando com universidades com as quais tenho contato, elas comentam que entregar antecipadamente sua candidatura demonstra pontualidade e compromisso. Então, divida seu tempo para com as tarefas que deve fazer, saia, separe um momentos com as pessoas que ama, organize seu cronograma de candidatura e envie em até uma semana antes de fechar o prazo.

  1. Prepare-se

Esta é a parte onde você vai usar um pouco mais do seu tempo para angariar informações, preparar seus documentos, traduções juramentadas, investir no seu inglês fazendo um intensivo ou conversações, montar seu currículo, cover letter, projetos, essay, encontrar aquele professor que pode fazer uma bela carta de recomendação.

Se vai a um país de língua inglesa, traduza já seu diploma e transcript, faça seu certificado TOEFL ou IELTS. Isto leva tempo e se você quer mesmo ir deve ter isso em mãos para quando surgir aquela oportunidade. Enfim é a parte que você deve fazer com calma e bem feito.

Você nesta fase irá fazer um esboço dos seus documentos e deixar já preparado. Isto te ajudará na próxima fase que é a pesquisa,. Assim você se sentirá confiante pois já tem seus documentos em ordem e quase prontos. Por que quase? Porque cada documento deve ter uma certa atenção para cada tipo de candidatura e eu recomendo personalizar seu documentos de acordo com o tipo de bolsa e dos requisitos que a universidade pedem.

Por exemplo. Se é uma bolsa voltada para área de liderança, mostre a eles toda a sua trajetória na comunidade, na universidade, se participou do grêmio estudantil, centro acadêmico, trabalhos voluntários etc. Não precisa dizer que seu primeiro emprego foi em uma farmácia ou como assistente administrativo (por mais que isto contou na sua carreira). O máximo que eles pedem por currículo, por exemplo, são três folhas, por isto pegue o seu melhor e o enquadre on que a universidade quer.

Estude a missão da universidade, a organização que vai dar a bolsa, a história do nome do professor da organização, os programas que eles oferecem, mencione que você teria vontade de participar do Programa X pois ele irá agregar ao seu conhecimento e para o qual você também pode contribuir com suas habilidades. Mencione que você também tem a agregar com esta experiência.

A candidatura é como uma vaga de emprego, você tem que se vender e dizer que se conseguir esta oportunidade pode somar na universidade, que irá levar este reconhecimento para o resto da vida onde passar.

Agora que você se sente pronto, já preparou seus documentos, está confiante e preparado, aí sim podemos dar uma olhada nas oportunidades, pesquisar universidades, bolsas e decidir se você gosta de lugares quentes ou frios, mas o que a temperatura tem a ver? Explico já!

Priscilla, aos 15 anos, em Baltimore (EUA), onde fez o primeiro intercâmbio e aprendeu a falar inglês

  1. Traçar seu Perfil

Então, está ansioso(a)? Vamos lá! Existe uma série de motivos que fazem você escolher determinada universidade e bolsas de estudos. Vamos começar pela primeira, os custos. Sim o montante que a universidade te dará ou quanto você pagará pela universidade é importante, pois você, só você, tem noção de quanto pode gastar mensalmente e se pode arriscar a ir a um país que não se pode trabalhar mas que tem um custo muito baixo da universidade.

Tenho que dizer que brasileiros têm muitas oportunidades de bolsas no mundo inteiro. Muitas! Algumas tem requisitos altos, outras pedem experiência e outras pedem uma série de documentos, certificados e notas altas. Porém, temos que ser esperto nesta história e usar do seu conhecimento e seu tempo para encontrar aquela bolsa ideal que se adapte às experiências que você tem.

Por exemplo, se você fala inglês/alemão/francês básico (sim, existem bolsas para quem ainda não é fluente no idioma), procure por universidades que oferecem um pré curso antes de começar as aulas. Se você não tem as melhores notas na escola ou graduação, procure por bolsas que queiram pessoas que tiveram experiências profissionais e de liderança. Assim você irá fazer um filtro do que você quer e o que você pode e traçará o seu perfil.

Mas quero abordar um assunto importante que impede muita gente de não realizar o sonho, achando que poderá ter um problema financeiro lá na frente: acho interessante estudar em um país onde você poderá trabalhar, pois você terá a oportunidade de ganhar seu dinheiro e se manter para pagar suas viagens, restaurantes, festas e o que você quiser. Trabalho é liberdade, é você conhecer a cultura local, ter novos amigos e melhorar seu idioma. Digo por mim porque todos os lugares para onde viajei, eu trabalhei, e isso só somou na minha vida e não tive perrengues financeiros como diversos colegas que estudavam comigo e não trabalhavam. Você consegue administrar seu tempo de estudo e trabalho, pois normalmente trabalhará 20 horas semanais. Itália, França, Alemanha, Espanha, Polônia, Irlanda, México… vários países dão a permissão de trabalhar e estudar, e isto é ótimo. Claro que no início você não irá trabalhar com algo na sua área. Nos seus primeiros trabalhos você ainda estará conhecendo o idioma e os trabalhos serão simples: restaurante ou baby sitter.

A universidade também oferece trabalhos a estudantes internacionais na biblioteca, ajudando pessoas com deficiência, ensinando seu idioma (isto tudo você pode encontrar nos sites, naquela parte que te falei sobre preparação). Enfim, encontrou algumas oportunidades, separou os prós e contras, viu quais dão dinheiro, aquelas que tem um custo de vida alto, custos de vida baixo. Agora é a hora de você ver se sabe enfrentar o frio frio, ou o calor calor.

Acontece que muitas vezes o pessoal não tem noção daquele frio e dos dias chuvosos e acabam que chegam ao país com bolsa e tudo e acabam retornando para casa nos primeiros três meses. Então procure saber bastante sobre a cidade e seu clima.

  1. O plano

Resumindo tudo o que falei isso vai virar o seu plano. E vou dizer o quanto isso é importante para organizar sua viagem daqui a um ano.

Sim, você deve ter em mente que não é do dia para noite que você vai conseguir a bolsa e ira a aeroporto para se despedir da galera.

Aqui quero que você organize seu dinheiro: quanto, por exemplo, você pode guardar por mês para conseguir a passagem; se inscrever naquele intensivo de inglês para poder chegar ao país de destino sem perrengue.

Organize seus documentos, faça um cronograma de universidades que vai postular com início e fim das candidaturas, se quer trabalhar no país, faça um mapa de todos os países que permitem isto. Fale com pessoas que possam ajudar neste processo, como professores, contatos no Exterior, professores de inglês para corrigir seus currículos, cover letter e essays. Fale com amigos e pessoas que já fizeram o mesmo e que poderão ajudá-lo nesta caminhada. Ter contatos é um grande passo para chegar lá.

Se precisar de ajuda, conselhos e consultoria para conseguir estudar no Exterior por conta própria, sem agências, sem taxas de inscrição e burocracia nas candidaturas, eu te acompanho nesta jornada!

Priscilla Santos da Silva, é uma brasileira-luxemburguesa que mora em Amalfi, na Itália, formada em Relações Internacionais e mestranda em Diplomacia que atua no turismo há mais de oito anos prestando serviços na área governamental e privada. @estudantenomade @acostaamalfitana

Com colegas do mestrado na Università degli Studi di Salerno em um jantar intercultural