AUTOR

TEMPO DE LEITURA

2.6 min

PUBLICADO EM

25/08/2013

O “mal do movimento” pode transformar o tão sonhado cruzeiro de verão, o passeio romântico pela serra e até mesmo uma divertida tarde no parque de diversão num pesadelo. Náuseas, enjoos e até vômitos podem atingir as pessoas mais sensíveis à cinetose – um tipo de labirintopatia que pode ocorrer quando o corpo está parado e o entorno está em movimento ou o inverso.

“O cérebro fica confuso com as informações conflitantes entre o labirinto e a visão. Essa confusão pode provocar tontura, náusea, vômito e desconforto físico”, explica o otorrinolaringologista Ektor Tsuneo Onishi.

A cinetose pode ocorrer em qualquer fase da vida e é mais incidente em mulheres e crianças. Não há necessidade de se privar de nenhuma atividade por conta da cinetose, basta se prevenir. “Normalmente, quem sofre desse problema já passou por situações semelhantes e sabe que tem grande possibilidade de passar mal durante uma viagem, independente do meio de transporte utilizado. Assim, é recomendável fazer um tratamento preventivo para evitar o distúrbio”, aconselha o especialista.

O tratamento com um antiemético – isto é um medicamento que alivia os sintomas relacionados ao enjoo, às náuseas e aos vômitos – deve começar alguns dias antes da viagem e terminar alguns dias depois, para evitar o “mal de desembarque” – uma sensação desconfortável que ocorre, principalmente, em quem faz viagens de navios, mesmo após o termino da viagem.  Os antieméticos podem provocar diferentes níveis de sonolência, é importante conversar com o médico sobre essa questão.

O cloridrato de meclizina, produzido e comercializado com o nome de Meclin pelo laboratório Apsen Farmacêutica, inibe a ativação do centro do vômito no Sistema Nervoso Central e trata a cinetose, além de reduzir a severidade e a frequência dos sintomas associados à vertigem.

O que fazer para evitar o mal-estar durante a viagem?

  • Mantenha os olhos fixos num ponto imóvel no horizonte.
  • Evite olhar objetos ou situações em movimento como as ondas do mar.
  • Não fique muito tempo em jejum e cuidado com as dietas radicais. Procure ter uma alimentação balanceada, comendo a cada três horas.
  • Aumente a ingestão de água: beba pelo menos seis copos por dia.
  • Evite ingerir café, doces ou alimentos muito gordurosos.
  • Fique em locais bem ventilados.
  • Evite comer muito antes de se expor a situações estimulantes (barco, brinquedos de diversão, simuladores, viagem de carro etc).
  • Evite bebidas alcoólicas durante essa exposição.
  • Evite contato com cheiros fortes (do motor da embarcação, do escapamento do carro, de cigarro).
  • Tente se posicionar em região próxima ao meio da embarcação, onde balança menos.

Como agir durante uma crise

  • Vá para um lugar ventilado.
  • Fique sentado, de olhos abertos, olhando para um ponto fixo na parede.
  • Procure um médico.
  • Não dirija ou manuseie máquinas ou equipamentos cortantes.
  • Nunca se automedique.

Publicado no Aeroporto Jornal – agosto/2013

Compartilhe essa história:

COMENTÁRIOS