A Tanzânia conta com paisagens naturais belíssimas, que vão desde praias de areias brancas e águas cristalinas a savanas.

A Tanzânia é muito conhecida por seus safáris.

São doze parques nacionais, entre eles o Serengeti, que significa “planície infinita” no idioma Maasai.

O local é considerado o maior santuário de vida selvagem do planeta . É uma das maravilhas naturais do mundo.

Além do Serengeti, outro lugar muito conhecido para fazer safári na Tanzânia é a cratera de Ngorongoro, que é um antigo vulcão gigante (acredita-se que era maior que o monte Kilimanjaro). Este vulcão entrou em erupção e formou a maior caldeira do mundo, com 260 km². Dentro dela, vive a mais densa população de leões do mundo e também uma incrível variedade e quantidade de animais selvagens como gnus, zebras e muitos outros. A cratera de Ngorongoro é Patrimônio Mundial declarado pela Unesco. Fora da cratera, somente tribos Maasai têm autorização para viver em harmonia com toda essa beleza natural.

Na Tanzânia, os viajantes aventureiros são levados a subir o monte Kilimanjaro, a montanha mais alta de todo o continente africano, com quase 6 mil metros de altura. Já para quem gosta de menos aventura, a opção é relaxar pelas lindas praias de Zanzibar ou ir para a Cidade de Pedra, que fica na parte antiga de Zanzibar, para caminhar por ruelas cheias de lojinhas, bazares e mesquitas. Sim, mesquitas. Zanzibar é uma ilha semi independente, com forte influência árabe.

Dicas para programar a viagem

Visto

Brasileiros precisam de visto para entrar na Tanzânia e pode ser solicitado na entrada.

Só é preciso preencher um formulário na chegada e pagar uma taxa de U$ 50 nos guichês que ficam antes da imigração. Atestado da vacina contra febre amarela também é solicitado.

Como chegar

A melhor forma e, também, mais barata é via Johannesburgo, na África do Sul. De lá existem diversas empresas aéreas, inclusive do tipo low cost, que fazem voos de Johanesburgo para Dar Es Salam, Kilimanjaro ou Zanzibar. Esses são os três principais aeroportos do país.

Dentro da Tanzânia, as distâncias são pequenas. Porém, por conta da má condição de algumas estradas, o tempo de locomoção é imprevisível.

A Coastal Aviation faz todos os destinos turísticos.

O lado positivo de fazer a viagem de avião é a vista espetacular. E, como os aviões são pequenos, o piloto vai explicando os lugares. Para quem tem mais tempo e quer gastar menos, é possível fazer o roteiro de carro. A vantagem é a possibilidade de conhecer vilarejos na região.

A Tanzânia, apesar dos problemas sociais e econômicos, é um país seguro, com pessoas hospitaleiras e alegres.

Melhores destinos

Os melhores lugares para safári são em Ngorongoro e no Parque Nacional do Serengeti. Ambos ficam dentro da região de Serengeti.

A área é tão grande que é “dividida” em Parque Nacional do Serengeti, Área de Conservação de Ngorongoro, Maswa Game Reserve, Loliondo, Grumeti, Ikorongoro e Reserva de Maasai Mara no Quênia, que apesar de ganhar nomes diferentes, é uma área toda aberta, para que os animais circulem livremente.

Esse movimento migratório dos animais acontece durante todo o ano, de acordo com o período de chuvas.

É a maior migração de mamíferos terrestres do planeta: mais de um milhão de animais.

Por estarem dentro de uma cratera, são animais sedentários.

Essas regiões merecem a visita, pois as paisagens são completamente diferentes.

Ngorongoro é onde as tribos Maasai vivem. Visitar uma das tribos, suas casas, conhecer o artesanato, a escola e entender como eles vivem é uma experiência maravilhosa. As tribos Maasai são as que mais fazem questão de manter sua tradição.

A forma mais econômica para fazer safáris na Tanzânia é comprando em empresas que vendem pacotes para grupo de pessoas para os diversos parques nacionais, incluindo o translado que sai da cidade de Arusha, o ponto de partida. O aeroporto de Arusha também é uma opção, além do aeroporto de Kilimanjaro, para quem pretende conhecer ou escalar a montanha.

Discovery Center

Para quem busca conforto, existem lodges de alto luxo que garantem uma experiência fantástica e exclusiva.

Em Ngorongoro, o lodge da empresa &Beyond é um dos mais luxuosos e desejados da região. São apenas nove quartos por lodge e cada um deles conta com lareira, banheira e mordomo exclusivo. Todos os cômodos possuem, ainda, uma vista privilegiada da cratera, de todos os ambientes. O lodge não tem cercas ou muros.

Animais circulam livremente por ali. Todas as refeições e safáris com rangers, com guias que entendem tudo sobre a natureza e animais da região, estão inclusos. Os jeeps são extremamente confortáveis, com cobertores e geladeiras com bebidas incluídas.

No Serengeti, o Four Seasons se principalmente destaca com sua estrutura em meio à savana.

Animais também circulam por ali, próximos da piscina, onde existe uma lagoa que atrai diversos animais como elefantes, zebras, gazelas e gnus que vão até lá para se refrescar ou beber água. Os quartos mais luxuosos possuem piscina privativa com vista para a lagoa. É maravilhoso acordar com o barulho dos animais! O Four Seasons também possui um Discovery Center, local com mapas interativos que explicam diversas áreas da Tanzânia, os animais e como acontece a migração deles.

Lake Manyara

A escolha de um bom lodge pode fazer uma grande diferença na experiência de sua viagem.

Apesar de caros, você recebe o que paga, ou melhor, muito além.

É a garantia de uma experiência de vida, com conforto, exclusividade e luxo mesmo em um lugar tão remoto.

Lake Manyara também é outro destino para se visitar na Tanzânia. O lago fica cheio de flamingos, o que deixa a paisagem espetacular.

Zanzibar, conjunto de ilhas semi independentes, possui praias belíssimas. Ao Norte da ilha principal de Zanzibar, em Nungwi, estão os hotéis e resorts mais populares e de redes hoteleiras conhecidas. Ao Leste, os hotéis são menores e um pouco mais exclusivos, como o Tulia Hotel, que possui apenas onze quartos.

Nas praias do Leste, a maré muda conforme o horário do dia.

Ao amanhecer, a maré está cheia e cobre toda a praia. Ondas fortes quebram contra as barreiras de proteção e, ao longo da manhã, a maré vai baixando e ficando a muitos metros de distância. Um fenômeno bem diferente e interessante de ser visto.

Para quem gosta de mergulho, a ilha de Mnemba é a mais recomendada. Não deixe de passar um dia na Cidade de Pedra, a parte mais antiga de Zanzibar, Patrimônio Mundial pela Unesco.

Culinária

A Tanzânia não possui culinária muito exótica, sendo fácil encontrar pratos simples com saladas e carnes nas cidades. Nos parques nacionais, onde são feitos os safáris, você irá dormir em um lodge e muitos deles oferecem comidas internacionais.

Em Zanzibar o restaurante The Rock, na praia de Pingwe, oferece comida local. O restaurante é muito conhecido e fotografado. Pedimos o “The Rock Special” que vem com variados frutos do mar e peixe do dia na grelha. E descobrimos que o restaurante é muito mais recomendado pelo seu estilo peculiar do que por sua comida.

O idioma oficial é o Swahili e o inglês. Claro, cada vilarejo ou tribo pode falar idiomas diferentes.

Curiosidades

O sistema horário que eles utilizam na Tanzânia é bem diferente. Eles dividem o dia em duas partes de 12 horas cada, que se referem à parte diurna e à noturna, e começam a contar as horas a partir do nascer do sol, que acontece geralmente às 6h.

Assim, depois de uma hora do nascimento do sol, que seria 7h, eles dizem uma hora.

E no pôr do sol, inicia a noite, e sua primeira hora, e assim por diante.

Em Zanzibar, na Cidade de Pedra, a orla do porto fica lotada de adolescentes que fazem competição de pulos na água.

Na Tanzânia encontram-se os pontos mais baixo e mais alto da África. O Lago Tanganyika, com 363 metros abaixo do nível do mar, e o monte Kilimanjaro, com 5.891 metros de altura.

Em Olduvai Gorge foram encontrados mais de sessenta fósseis de hominídeos com intervalo de tempo de 2,1 milhões a 15 mil anos atrás. É o maior registro contínuo da evolução humana.

O Lago Natron possui uma enorme quantidade de sal alcalino e natrão (carbonato de sódio hidratado), que de tão poderoso chegou a ser usado pelos egípcios para mumificação de faraós. Por conta disso, poucos animais vivem na região e é possível encontrar pássaros e outros animais mortos que, com o tempo, ficam com aparência de estátuas.

Karina Sell, do site www.kawalk.com.br

Publicado no Aeroporto Jornal – dezembro/2016