AUTOR

TEMPO DE LEITURA

1.7 min

PUBLICADO EM

05/02/2016

Em 302 hectares, na divisa entre os municípios de Porecatu e Centenário do Sul, no Norte do Paraná, está o Parque Estadual de Ibicatu. Ele é conhecido como Reserva Biológica de Ibicatu e guarda uma floresta. Ali convivem espécies de flora diversificada – jequitibá, aiticum, cedro-rosa, figueira, peroba-rosa, buganvilia, canafístula e gurucaía – com fauna igualmente variada – trinta espécies de pássaros. Também dez de mamíferos, sete espécies de peixes e dezessete de insetos, além de outras -, uma mostra da riqueza biológica que havia na região. É turismo de aventura.

“A floresta representa o que era a vegetação que cobria as terras da região. Hoje abrigam o cultivo principalmente de canaviais que se perdem de vista. A floresta possui características de transição. Tem vestígios de vegetação do passado. É a ocorrência em climas secos e têm espécies raras em solos de origem basáltica”, diz a gerente do Parque, Raquel Fila Vicente.

Criado em 1982, o Parque Estadual de Ibicatu é uma das 68 unidades de conservação sob responsabilidade do Paraná. Destes, 29 abertas à visitação pública, é um dos principais atrativos da região. Além de paranaenses, a Reserva recebe visitantes de outros estados e países.

Trilhas

Além de sua biodiversidade, o parque oferece duas trilhas e atividades que envolvem a educação ambiental e realização de pesquisas científicas:

Trilha da Floresta: Com um percurso de mil metros de extensão, percorre uma área margeada de florestas e vegetação nativa.

Trilha do Ribeirão: Tem 300 metros de extensão. Durante o percurso dessa trilha há um riacho, conhecido como Ribeirão Tenente, cercado por mata ciliar com águas rasas e fundo rochoso. O passeio termina em uma pequena cachoeira.

A Reserva está aberta de segunda a sexta, das 8h às 18h. Visitantes em grupos poderão agendar previamente seus passeios no (43)3373-8700 ou diretamente no Parque, (43)3623-4201. Apenas grupos agendados terão o acompanhamento de um guia.

Publicado no Aeroporto Jornal – fevereiro/2016

Compartilhe essa história:

COMENTÁRIOS