AUTOR

TEMPO DE LEITURA

6 min

PUBLICADO EM

31/08/2021

Quando pensamos em viajar imaginamos chegar ao nosso destino de avião, carro ou ônibus, mas é possível conhecer o Brasil de uma maneira inusitada. Os passeios de trem no país são menos conhecidos, mas garantem uma experiência encantadora, por caminhos centenários entre cidades históricas. Estar a bordo de uma legítima Maria Fumaça é sentir-se em uma viagem no tempo ou parte do elenco de uma novela da época imperial.

Em Minas Gerais, por exemplo, o passeio na Maria Fumaça mais antiga do Estado, que liga a cidade de Tiradentes a São João del-Rei, é um passeio único. A antiga Estrada de Ferro Oeste de Minas, inaugurada em 1881 por Dom Pedro II, abre caminho entre o Cerrado e a Mata Atlântica para levar o viajante a um belo passeio pelas serras do complexo de São José e por paisagens que ainda preservam a arquitetura do século XIX. Também é possível conhecer o Museu Ferroviário e a Rotunda, o giro manual da locomotiva que preserva o costume da época do Império. Tiradentes e São João del-Rei estão entre as principais cidades histórias de Minas Gerais e reúnem diversos patrimônios culturais brasileiros.

Trem das Águas. Foto: ABPF

Outro passeio charmoso a bordo de uma autêntica Maria Fumaça é o Trem das Águas. Responsável pelo trajeto entre São Lourenço e Soledade de Minas (MG), o trem segue bem próximo do Rio Verde e percorre um total de 10 km em duas horas de passeio (ida e volta).

Estação centenária

Ainda em terras mineiras, o Trem da Serra da Mantiqueira tem como trajeto o trecho entre a estação central da cidade de Passa Quatro e a estação de Coronel Fulgêncio, perfazendo o total de 10 km. No caminho, os turistas podem se encantar com a paisagem da serra, passando pelas corredeiras do Manacá e a ponte Estrela.

Trem da Serra da Mantiqueira. Foto: ABPF

A Região Sudeste conta com o Trem Republicano que liga as cidades paulistas de Salto e Itu. A Estação Ferroviária de Salto e os trilhos que ligam a cidade à vizinha Itu foram totalmente revitalizados com recursos do Ministério do Turismo, em torno de R$ 2 milhões. O trabalho abriu caminho para a operação do trem, atração turística que une passado e presente em um passeio nostálgico.

A “Velha Senhora”. Foto: ABPF

Em São Paulo, outro percurso encanta os turistas. O trajeto entre Guararema e a estação centenária de Luís Carlos é realizado a bordo da locomotiva 353, mais conhecida como a “Velha Senhora”, por fazer parte da história ferroviária do Estado. Ela pertencia a Estrada de Ferro Central do Brasil e fazia o trajeto entre São Paulo e Rio de Janeiro, contribuindo muito para o desenvolvimento de Guararema. O passeio tem duração total de duas horas.

No Rio de Janeiro é possível conhecer, sobre trilhos, um dos cartões postais mais famosos do Brasil, o Cristo Redentor. A bordo do Trem do Corcovado o turista atravessa a Mata Atlântica e passeia pela história do Brasil. Inaugurado em 1884 pelo Imperador D. Pedro II, o Trem do Corcovado já levou papas, reis, príncipes, presidentes da República, artistas e cientistas em seus vagões. Além disso, o trem é também um passeio ecológico, por ser elétrico e não poluir o meio ambiente.

Foto: Trem do Corcovado

Trem do Vinho

A Estrada de Ferro do Corcovado, por onde passa o trem, foi a primeira ferrovia eletrificada do Brasil. É mais antiga do que o próprio monumento do Cristo Redentor. Aliás, foi o trem que, durante quatro anos consecutivos, transportou as peças do monumento.

Já no Sul o Trem do Vinho, no Rio Grande do Sul, é uma das grandes atrações da Serra Gaúcha. A Maria Fumaça liga as cidades de Gramado, Bento Gonçalves, Garibaldi e Carlos Barbosa em um trajeto que revive a cultura italiana no Brasil.

No Paraná, a viagem sobre trilhos que liga as cidades de Curitiba e Morretes é bastante procurada por turistas e moradores da região. Considerado um dos passeios ferroviários mais bonitos do mundo, a viagem atrai milhares de viajantes em busca das belezas naturais da Serra do Mar.

Trem da Serra do Mar. Foto: Serra Verde Express

Quem quiser pode “esticar” o passeio e embarcar no Trem Caiçara que liga Morretes à cidade histórica de Antonina. A locomotiva a vapor mais antiga em operação regular no Brasil voltou a operar após trinta anos sem dar partida e agora leva turistas através de um percurso de 16 km pelas belezas do Litoral paranaense.

O trajeto a bordo da recém-restaurada Maria Fumaça Mogul 11, fabricada em 1884, faz parte da Estrada de Ferro Dona Isabel, inaugurada em 1892, e se inicia na histórica Estação de Antonina reconhecida como Patrimônio Cultural Brasileiro e reformada, no ano passado, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), autarquia vinculada ao Ministério do Turismo.

Trem de Brumadinho

E vem mais uma rota ferroviária por aí. Um Grupo Técnico criado pelo Ministério do Turismo, por meio do Fórum de Mobilidade e Conectividade Turística, está em fase final de produção de resultados que visam a implantação do projeto do trem turístico que liga as cidades mineiras de Brumadinho e Belo Horizonte.

Lançado em dezembro de 2020, o grupo estuda a revitalização de uma estação em Belo Horizonte e a possibilidade da construção de outra em Inhotim. Em atividade, ele será capaz de transportar 840 pessoas por dia em duas locomotivas com seis vagões cada. O trem deverá proporcionar segurança e elevado conforto aos usuários, protocolos de higiene, serviços a bordo, acessibilidade para cadeirantes e pessoas com mobilidade reduzida. O trajeto de cerca de 50 km será feito em pouco mais de uma hora.

Além do trem turístico que poderá ligar Belo Horizonte a Brumadinho, o grupo listou outras rotas que possuem potencial para o projeto: Lavras/Três Corações/Varginha, Poços de Caldas/Águas da Prata, Perdões/Lavras/Carrancas, Cataguases/Além Paraíba/Três Rios e São Sebastião do Rio Verde/Passa Quatro.

Segurança

As empresas que operam os trens turísticos no Brasil aderiram a protocolos de segurança sanitária para prevenção contra a Covid-19. Os trens estão operando com capacidade reduzida e há a obrigatoriedade do uso de máscara e aferição de temperatura antes do embarque.

Vanessa Castro, Assessoria de Comunicação do Ministério do Turismo

Foto que abre a matéria: Trem da Serra do Mar/ABPFSUL

Compartilhe essa história:

COMENTÁRIOS