AUTOR

TEMPO DE LEITURA

2.9 min

PUBLICADO EM

05/10/2018

É UMA VELHA QUESTÃO: O MUNDO MELHOROU?

Não há como negar. Hoje um sujeito com 35 anos já não é considerado um ancião, como acontecia na Idade Média. Os remédios vencem doenças antes fatais e as vacinas conquistaram vitórias notáveis.

Mas será que melhorou mesmo?

Vejamos o caso do LP, aquela saudosa bolacha negra pela qual tanto suspirávamos. A gravação num CD pode conter menos ruídos, mas existem controvérsias. Há quem não goste da sonoridade plana, artificial, chapada, sem os chiados que habitam um LP.

Além disso, pensemos nas capas do LP e do CD. Piorou muito. As capas dos LPs eram notáveis, um show a parte. Era possível colocá-las na parede, onde adquiriam a solenidade de uma obra de arte. Quando Aloísio de Oliveira criou a gravadora Elenco, nós esperávamos não apenas pelo novo LP de bossa nova, mas também sabíamos que viria por aí uma capa inventiva, graficamente desafiadora, digna de museu. E a capa do LP tinha uma intimidade sensual com o registro que abrigava.

E quanto ao CD? Melhorou? Além da questão do som chapado, a tal embalagem de plástico não funciona. É horrorosa, quebra fácil, perde encaixes sem os quais não abre nem fecha. Um desastre. Além disso, por mais que ótimos artistas gráficos tenham se esforçado, não há jeito de colocar uma capa de CD na parede. Não vira quadro. Não resulta em obra de arte.

Quanto a isto o mundo não melhorou.

Há outro exemplo que nos afeta mais de perto, parecendo indicar que, comparada com os editores de texto, a máquina de escrever foi um fiasco. No micro tudo é corrigível, podemos escolher tipologias, e um programa varre da página nossos erros ortográficos. Sem contar as pesquisas que fazemos na internet.

Melhorou? Sim e não. Quem é que lê um texto na internet? Não uma ou duas páginas, mas o romance Guerra e Paz? Quem lê uma novela de Gogol ou um conto de Hemingway? Ninguém. Ao inventarem o e-book anunciaram e garantiram que o livro ia se acabar, parafraseando o samba de Assis Valente.

Nada disso. A verdade é que o e-book sobrevive manquitolando.

E digo isso como proprietário de dois deles. É bom para ler na cama, em viagem, mas o livro em papel segue insuperável. É não apenas o suporte ideal para uma obra literária, mas também pode ser ele próprio uma obra de arte.

O e-book passa longe disso.

Enfim, o mundo, desde que é mundo, melhora aqui e piora ali. O progresso e as invenções consertam coisas que atrapalhavam nossas vidas, mas criam novos problemas. Uma coisa tão limpinha quanto uma gravação em CD não agrada aos ouvintes mais exigentes, para quem ruídos e chiados fazem parte da música. Uma gravação higienizada pode ser tão desagradável quanto uma dessas casas de novos ricos na qual tudo lembra uma intocável vitrine de shopping. É uma casa, digamos, invivível.

Talvez seja preciso avaliar a história de outra forma e encarar questões desse tipo: o avião é melhor do que o trem? O caminhão será melhor do que o navio? A esferográfica é melhor do que uma caneta Parker 51?

Roberto Gomes, escritor

Publicado na Now Boarding – outubro/2018

Mais crônicas de Roberto Gomes aqui.

Compartilhe essa história:

COMENTÁRIOS