AUTOR

TEMPO DE LEITURA

1.5 min

PUBLICADO EM

16/12/2020

Pela primeira vez na história, a Justiça do Reino Unido reconheceu, em sentença publicada hoje (16), que a poluição atmosférica foi um dos fatores que provocou a morte de uma criança em 2013.

Ella Kissi-Debrah, 9 anos, havia sido internada por 27 vezes em três anos antes de falecer por uma severa crise de asma em 2013.

Os pais da menina, que moravam próximo a uma via muito movimentada, declararam ao Tribunal de Southwark que nunca souberam quais os perigos que a poluição traziam para a saúde dela.

Segundo os juízes, essa “maratona” da família ao hospital teve uma “contribuição material” da poluição do ar.

A discussão jurídica se arrasta há anos e, em 2014, um tribunal alegou que a criança morreu por insuficiência respiratória causada por asma grave e não pela poluição. Mas, em 2019, a sentença foi anulada e o caso foi reiniciado.

Com base em um perícia feita pelo professor e médico legista Stephen Holgate, foi constatado que a saúde de Kissi-Debrah estava “no fio da navalha” antes do ataque fatal. O juiz Philip Barlow afirmou que “tem certeza que Ella morreu de asma”, mas que ela sofreu uma “contribuição por uma exposição excessiva à poluição do ar”.

Após o veredito, o advogado da família afirmou que colocar a poluição ambiental como uma das causas da morte da menina é algo “sem precedentes” talvez, na história mundial, e que agora isso abre a jurisprudência no direito anglo-saxão.

Segundo dados de ONGs britânicas, cerca de 30 mil mortes por ano no Reino Unido ocorrem por conta da poluição atmosférica.

Fonte: Ansa

Foto: Reprodução/Twitter/Ansa

Compartilhe essa história:

COMENTÁRIOS