AUTOR

TEMPO DE LEITURA

1.8 min

PUBLICADO EM

01/09/2013

“Ser ou não ser?” A antológica frase no monólogo do príncipe dinamarquês Hamlet, numa das mais importantes peças do escritor inglês William Shakespeare, atravessou os séculos e ainda hoje é referência como expressão da angústia humana.

Hamlet de William Shakespeare
Foto: divulgação

Escrita no século XVI, a tragédia Hamlet continua sendo encenada em todo o mundo e já foi adaptada para diferentes formatos e mídias, ganhando agora uma fiel versão em quadrinhos.

Com tradução e roteirização de Wellington Srbek, desenhos e cores de Alex Shibao, o álbum Hamlet de William Shakespeare é portfólio da Editora Nemo. O rei da Dinamarca morre em circunstâncias suspeitas. Em menos de dois meses, seu irmão, Cláudio, casa-se com sua viúva, a rainha Gertrude, e passa a ocupar seu trono.

Desolado com a morte do pai e a indiferença da mãe, o príncipe Hamlet vaga pesaroso pelo castelo. Numa noite, porém, o espírito do falecido rei aparece e anuncia ao filho que fora envenenado pelo próprio irmão e que seu assassinato deveria ser vingado.

Mergulhado em dúvidas e em meio a intrigas palacianas, traições e incidentes, o angustiado príncipe Hamlet irá desafiar os limites da razão numa busca obstinada por verdade e justiça.

Tudo isso somado às reviravoltas e surpresas no melhor estilo de um enredo shakespeariano. Esta versão em quadrinhos mantém toda a dramaticidade da obra original, explorando os complexos temas da traição, vingança, corrupção e moralidade, que revelam a própria natureza humana e permanecem tão relevantes quanto na época em que a peça foi escrita.

Buscando ressaltar o dinamismo da obra original, o roteiro de Srbek resgata os ricos diálogos de Shakespeare que, mesclados aos expressivos desenhos de Shibao, apresentam numa roupagem literalmente moderna um dos maiores clássicos da literatura universal. O livro tem 80 páginas. Preço sugerido: R$ 42.

Publicado no Aeroporto Jornal – setembro/2013

Foto de destaque: Max Muselmann/ Unsplash

Compartilhe essa história:

COMENTÁRIOS