AUTOR

TEMPO DE LEITURA

2.1 min

PUBLICADO EM

05/04/2017

Pode até ser que você não tenha ouvido falar no termo Comunicação Agressiva, mas certamente já ouviu algum colega ou amigo vangloriar-se de dizer sempre o “o que tem que ser dito”, em nome do que chamam de sinceridade absoluta ou autenticidade.

Ao primeiro momento, podemos pensar que comunicação agressiva é somente aquela que se manifesta por um tom de voz alterado, gestos grosseiros e até palavras de baixo calão. Essa é a forma mais explícita, mas ela pode se manifestar de forma bem mais sutil e mascarada, o que pode tornar difícil a identificação de um problema que pode ser desastroso para as relações pessoais.

Você já percebeu que algumas pessoas conversam apontando o dedo? Até mesmo em diálogos triviais.

Exemplos

Apontar o dedo a uma pessoa é um exemplo clássico de manifestação agressiva. É uma ação que denota a necessidade de impor a própria opinião.

Outros exemplos?

Falar com ironia, com sarcasmo, levantar as sobrancelhas ao ouvir algo que não está de acordo, fazer brincadeiras com assuntos sérios para “mandar um recado”. Isso tudo é agressivo.

Pessoas que impõem suas vontades, que gostam das coisas do seu jeito, que se consideram super sinceras, tendem a ser comunicadores agressivos.

Muitas dessas pessoas são assim porque sentem a necessidade de se impor a qualquer custo, mas também como forma de defesa, para esconder alguma fragilidade. Outras, no entanto, não tem consciência. São acostumadas a se comunicar de forma agressiva porque aprenderam a ser assim e acabam magoando e afastando as pessoas sem perceber. Afinal, ninguém gosta de ser sentir inferiorizado, desrespeitado.

Se você se identificou com essas características e está se perguntando se pode estar caindo nessa armadilha, comece a observar como você age nos momentos de tensão, pressão e até mesmo nos momentos de descontração total. Peça o feedback de algumas pessoas próximas de círculos diferentes.  

Em nosso convívio profissional e pessoal, precisamos pensar (muito) antes de falar. Precisamos, sim, de “filtros” e evitar sermos desagradáveis com as pessoas, principalmente no ambiente de trabalho, onde além da boa convivência, seu emprego ou sua reputação podem estar em jogo.

Alguns comentários só devemos fazer com pessoas que temos muita intimidade, e ainda assim podem ser desagradáveis!

Pense nisso!

Karla Giacomet, consultora de imagem e colunista de Imagem Pessoal

Publicado no Aeroporto Jornal – maio/2017

Imagem de PublicDomainPictures por Pixabay 

Compartilhe essa história:

COMENTÁRIOS