AUTOR

TEMPO DE LEITURA

3 min

PUBLICADO EM

05/11/2017

Roberto Gomes, escritor

FAZIA MEIA HORA QUE ELA ESTAVA DE OLHOS ARREGALADOS, FIXOS NO TETO DO QUARTO. DE REPENTE DEU UM PULO E SE AGARROU AO OMBRO DO MARIDO:

– Leontino!

O marido acordou atordoado.

– Que foi mulher?!

– Você está ouvindo?

– Ouvindo o quê?

– Esse barulho.

– É secador de cabelo, mulher.

– Claro que é secador de cabelo, Leontino.

– E daí? Quer dizer que o vizinho aí de cima está secando o cabelo.

– Mas isso está esquisito. Onde já se viu, quinze para as duas da manhã e o sujeito secando o cabelo!

– Meu deus do céu, mulher! Me deixe em paz. Quero dormir.

Ele cobriu a cabeça com o travesseiro. Mas ela continuou atenta.

– Leontino! Desligaram o secador. 

Ele rosnou, mordendo o travesseiro:

– Se desligou o secador é por que acabou de secar o cabelo. Então, vamos dormir. Não me encha mais a paciência.

– Mas como é que eu posso dormir? Leontino! Leontino! Acorda aí!

– Por quê?

– A gente não sabe o que está acontecendo aí nesse apartamento de cima.

– Mas o que pode ser?

– Eu acho que hoje é o dia em que ele traz a namorada para o apartamento.

– Namorada? Que namorada?

– Você não sabe que ele tem namorada?

– Não. Não sei.

– Leontino, se você visse… Essa namorada não é boa bisca.

– Escuta aqui, Juventina, isso é problema dele. E que história é essa de você falar em “bisca”? Logo você que frequenta encontros na igreja.

– Tá, vendo? Deve ser influência da vizinhança. Só isso explica o que eu tenha usado essa palavra. Más influências.

– Escuta. Eu quero dormir. O sujeito já secou o cabelo. Não sabemos se a namorada está lá. O que não é da nossa conta. Portanto, não me chateie, Juventina. Vá dormir, Juventina!

– Mas como posso dormir com um problema desses sobre nossas cabeças?

– Mas que problema?

– Que tal se ele está lá com a namorada?

– Pode ser. E daí?

– Podem estar fazendo alguma coisa.

– O que ele pode estar fazendo com a namorada? Você já esqueceu?

– Não, eu não esqueci. Você é que anda esquecido. Quem sabe por isso…

– Faça-me um favor!

– Está bem, Leontino. Vou dormir.

Ele virou para o lado, se enrolou feito um caracol. Ela virou para lado oposto, montou outro caracol abraçada ao travesseiro. Não levou quinze minutos.

– Você ouviu, Leontino? Esse barulho. Uma faca caiu no chão!

Ele sentou-se na cama, colocou o travesseiro entre as pernas e o esmurrou a cada sílaba do que dizia:

– E o que nós temos com isso?

– Você não percebe, Leontino?

– Não percebo o quê?

– Crime.

– Que crime?

– Ora, com faca são cometidos crimes.

– Não encha. No máximo ele vai descascar uma laranja.

– Às duas da madrugada?

– Claro. Crimes são cometidos à meia noite. Já passou da hora. Durma bem.

Ele enroscou-se em novo caracol. Silêncio. Passou meia hora. Súbito, do apartamento de cima veio uma gargalhada, duas gargalhadas, uma sucessão de gargalhadas e de gritos.

– Leo?! Leozinho! Você tá acordado?

– Estou, Juju. Você não me deixa dormir.

Ela deu uma risadinha:

– Estou lembrando de umas coisas, Leozinho.

– Eu também, Jujuzinha.Os dois enroscaram-se num só caracol e assim reinou a paz no condomínio.

gomesroberto.blogspot.com

Publicado na Now Boarding – novembro/2017

Compartilhe essa história:

COMENTÁRIOS