AUTOR

TEMPO DE LEITURA

1.5 min

PUBLICADO EM

15/12/2020

O Brasil caiu cinco posições no ranking internacional que mede a qualidade de vida, passando da 79ª para a 84ª colocação entre 189 países, informou o relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) divulgado hoje (15).

O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) brasileiro até seguiu a média mundial e aumentou 0,003 – subindo de 0,762 em 2018 para 0,765 em 2019, mas está praticamente estagnado. Para elaborar o número, são levados em consideração os progressos ou regressos feitos nas áreas de educação e saúde, bem como a renda da população. Quanto mais próximo de um, melhor é a situação do país. O Brasil está 0,192 pontos atrás do país melhor colocado no ranking.

Os dados, como só contabilizam o ano passado, ainda não mostram o impacto da pandemia de coronavírus Sars-CoV-2, o que deve provocar uma retração no próximo levantamento. Outro ponto de destaque do Brasil foi uma menção à Amazônia, em que há o alerta de que a maior floresta tropical do mundo corre o risco de virar uma savana com o avanço do desmatamento e das queimadas.

O ranking mundial de qualidade de vida é liderado, novamente, pela Noruega (0,957), seguida por Suíça e Irlanda (0,955 em ambas). Entre os dez primeiros, ainda aparecem Alemanha, Hong Kong, Austrália, Islândia, Suécia, Singapura e Países Baixos. Já a Itália está na 29ª posição, com 0,892 de IDH.

Na América do Sul, a melhor nação no ranking é o Chile, na 43ª com IDH de 0,851, seguida por Argentina (46º e 0,845), Uruguai (55º e 0,817), Peru (79º e 0,777), Colômbia (83º e 0,767) – o Brasil fica na sexta posição no subcontinente.

Nas últimas três posições, estão países africanos: Chade (0,398), República Centro-Africana (0,397) e Níger (0,394).

Fonte: Ansa

Foto: Mauro Pimentel/AFP

Compartilhe essa história:

COMENTÁRIOS