AUTOR

TEMPO DE LEITURA

2.3 min

PUBLICADO EM

31/08/2020

O governo do Paraná informa que o Projeto de Retomada do Turismo no Estado entrou na sua terceira fase e a principal meta é a possibilitar a recuperação a partir do turismo regional com viagens até de 200 quilômetros dentro do próprio Estado. O Parque Histórico de Carambeí, foto que abre a matéria, fica a 140 km de Curitiba.

As fases do Projeto consistem na costura de parcerias com entidades de classe e instâncias de governança para capacitação e qualificação dos serviços, como hospedagem, alimentação e agenciamento e na retomada dos negócios a partir de encontros de negócio virtuais.

O projeto é uma iniciativa da Paraná Turismo, Invest Paraná e Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, em parceria de instituições representativas dos setores público e privado, que fazem parte do Conselho Paranaense de Turismo (Cepatur) e, ainda, das Instâncias de Governança Regionais (IGR’s) das 14 regiões turísticas do Paraná.

“Durante o isolamento social e o fechamento do comércio, trabalhamos incansavelmente para proporcionar uma retomada do turismo em todas as regiões do Estado. Queremos garantir que os destinos turísticos do Paraná entrem na rota dos paranaenses, dos brasileiros e dos estrangeiros, como foi determinado pelo governador”, afirmou o secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes.

Não cancele, remarque!

Até outubro de 2019, o Paraná era o segundo Estado com o maior crescimento turístico do Brasil (5,4%) superando, inclusive, a média nacional (1,5%). Também houve um aumento de 23% de empresas que aderiram ao Cadastur, cadastro de prestadores de serviços turísticos, o que representa 1.183 novas empresas registradas em 2019. Além disso, o Paraná marcou presença em pelo menos 30 eventos do setor.

Como parte do projeto do Paraná para a retomada do turismo foi lançada a campanha “Não cancele, remarque!”, que tem como objetivo principal evitar a falência de empresas e o desemprego.

O intuito é que os turistas que já haviam comprado pacotes, passagens aéreas e outros produtos turísticos que estavam datados para um período coincidente com a pandemia sejam conscientizados a não cancelar as reservas feitas, e sim que as remarquem. Isso faz com que as empresas turísticas não tenham que devolver o valor que o turista pagou, desonerando o capital de giro, que ficou prejudicado pela falta de movimentação do mercado durante a pandemia.

As pesquisas serviram de base para que fosse traçado um cenário do turismo local antes e durante a pandemia da Covid-19, para obter dados suficientes para a execução do projeto de retomada de uma forma assertiva e eficaz. Todas as sondagens podem ser acessadas aqui. Fonte: Agência Estadual de Notícias

Compartilhe essa história:

COMENTÁRIOS